sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Ideologia de Género - O Caso Reimer

O documentário que se encontra no final deste texto é muito pedagógico: "Dr. Money and the boy with no penis" (Horizon, BBC TV, 2004), do qual tomei conhecimento via É o Carteiro!

O documentário mostra o trágico fracasso das experiências do psicólogo John Money (1921-2006), o "pai" da teoria pseudo-científica que dá pelo nome de "identidade de género", e que afirma que o género feminino e o género masculino são apenas culturais, e não características inatas do ser humano. Essa mesma teoria, hoje em dia, alimenta também uma parte importante da propaganda LGBT. Money promoveu a expressão "gender identity/role" como se a identidade de género e o desempenho social dese papel ("role"), fossem uma só coisa: algo que é adquirido culturalmente.

Para defender a sua teoria, Money conduziu durante anos várias experiências com os gémeos Bruce e Brian Reimer, dois rapazes norte-americanos. Bruce fora acidentalmente castrado aos oito meses, e em consequência, o Dr. Money sugeriu aos pais que a criança recebesse uma intervenção cirúrgica e tratamento com hormonas femininas, juntamente com uma educação que "alinhasse" o rapaz de acordo com o perfil feminino. Bruce tornou-se "Brenda".
Perante graves crises de identidade durante o início da sua adolescência, pois embora castrado, "Brenda" Reimer sentia-se rapaz (que era, na verdade), os pais decidiram revelar a verdade aos seus dois filhos. "Brenda" insistiu em voltar a ser submetido a cirurgia, desta vez para recuperar a sua masculinidade: escolheu o nome de David. Instalou-se uma crise entre os irmãos que durou anos, atravessando toda a adolescência até à idade adulta. Brian Reimer, muito provavelmente traumatizado com a descoberta, na adolescência, de que a sua "irmã" afinal era um rapaz, entrou numa escalada de problemas psicológicos que degenerou em esquizofrenia já na idade adulta: ele matou-se em 2002. David, deprimido pela perda do irmão, e pela separação da sua mulher, matou-se também, em 2004.

O Dr. Money, logo no início da adolescência dos gémeos, altura em que as suas experiências sinistras fracassaram por completo (Bruce/"Brenda", a certa altura, ameaçou que se matava se o obrigassem a mais sessões com Money), começou a publicitar a sua teoria como sendo verdadeira, e usando o caso Reimer como alegada prova.

Esta teoria pseudo-científica ainda hoje em dia é promovida. Em Portugal, o Governo socialista de José Sócrates tenta hoje em dia aplicá-la através, por exemplo, da Lei da Educação Sexual ou da legislação acerca da mudança de sexo em vias de ser promulgada. Outros governos "modernos" começam também a aplicá-la e a promovê-la. Está a tornar-se numa moda da engenharia social dos nossos tempos, apesar de esta moda ser baseada numa mentira pseudo-científica que destrói a vida das pessoas. Mas nada como ver o documentário...

PS: A John Money Collection inclui um espólio "científico" de pornografia, que está alojada no também muito "científico" Kinsey Institute. É curioso descobrir as interessantes teorias de Money acerca da pedofilia e do "amor" erótico entre crianças e adultos, o que o torna intelectualmente próximo de Kinsey, já que este era um pedófilo activo, com as suas teorias (e práticas) acerca do tema. Veja-se ainda, nos vídeos que se seguem, Brian Reimer a contar que o Dr. Money se entretinha a conduzir "experiências científicas" nas quais levava os dois irmãos, na altura com apenas sete anos, a entrarem em actos sexuais.







PPS: Na frase final, David Reimer lança o aviso acerca dos riscos desta ideologia de género, como premonição do seu suicídio, que viria a ocorrer pouco depois desta entrevista: "Is it gonna take somebody to end up killing themselves, shooting themselves in the head, for people to listen?"

4 comentários:

Francisco disse...

Esquecemo-nos que as ideias diabólicas,não são apenas opiniões, acabam por ter, mais cedo ou mais tarde, consequências trágicas!
Francisco Gomes

Anonimo disse...

O Bernardo apresenta o caso brenda e dá uma imagem dos cientistas e politicos / governos como se andassem todos em conspirações e arquitecturas maquiavélicas para prejudicar os cidadãos.

A verdade é que tem razão no caso brenda,mas não tem razão em apresenta-lo tão simplesmente como tais teorias maquiavélico /conspirativas para destruição dos valores da humanidade. O tal cientista, não foi ele que procurou cobaias como se parece querer fazer crer, o caso é que um casal teve dois filhos gémeos, um tinha um problema no penis de nascença chamado fimose e precisava de ser circuncidado. A operação feita por um urulogista correu mal e destruiram o penis do bebe. O problema e angústia daí decorrente para os pais foi evidente, e agora destruimos a hipotese da criança vir a ser “feliz” e os culpados somos nós. O problema de consciência avolumava-se, que fazer. Andava em voga nos psicologos algumas teorias sobre a crise de identidade sexual na adolescencia, e via-se isso como podendo ser estendida a crianças onde ainda nem sequer essas inclinaçoes sexuais se mostravam latentes. Não é que os pais vêem na tv um programa, tal como os nossos da nossa tv de muita conversa onde o tal psicologo explorava essa questão. O que fazem os pais? Vão ter ao consultorio do tal psicologo, que errou eticamente, mas não foi ele que andou a cata de gémeos ou a fazer experiencias em todos os que lhe apareciam pela frente como parece fazer-se crer, aproveitou-se de uma situação que lhe entregaram em mãos e para o qual julgava ter solução. Ao ver dosi gémeos onde podia testar a sua teoria, servindo um de cobaia e outro de controle não hesitou e decidiu po-la em pratica. Acabou por castrar o menino para acelerar o processo e começou a dar-lhe hormonas no sentido de anular a masculinidade e provocar o aparecimento da feminilidade. Não é que ele pensasse que isto era aprendido socialmente mas que por mudanças quimicas no organismo este se adaptava a uma fisionomia e a uma identidade de genero. Bem a coisa não resultou e quando o menino começa a despertar sexualmente começa a ser o que a natureza o tinha destinado, começa a despertar masculinamente apesar das hormonas administradas. O caso foi terrivel e terminou dramaticamente, e serviu pra uma coisa apesar de tudo, é que provou apesar da infelicidade que a coisa não funcionou nem funcionará porventura em pessoas que não estão em conflito ou ainda determinadas sexualmente.

O que o Bernado confunde depois propositadamente ou não, é quando isso, essas manisfestações se dão em fases adultas em que a pessoa não foi a partida em criança assim determinada por outrém, mas é agora ela que não se sente bem no papel com que a natureza a dotou fisicamente e pelo contrario sente-se bem no papel oposto psicologicamente. Que fazer? Dizer que essas pessoas foram dotadas assim pela natureza e pronto, por isso paciencia tem que viver como a natureza as dotou e serem infelizes se porventura for essa a sua situação, nascerem assim mas culinos e sentirem-se assado femininos ou vice versa, paciencia o determinismo e fatalismo assim o quis, ou permitir que as pessoas possam escolher conscientemente aconselhadas qual o melhor caminho para resolver a sua situação e serem felizes, pois é eu como não sei nada do assunto nem desses papeis não atiro pedras a ninguém, no entanto condeno e nunca concordaria como no caso brenda que tal posssa ser determinado por outrem sem a pessoa atingir uma tal maturidade em que seja ela propria a manifestar-se .

Porque os casos de disturbios e transtornos sexuais e identidade existem, mas uma coisa é nos querermos condiciona-los, modifica-los , e faze-los acontecer assim ou assado, e outra coisa é nos constatarmo-los , e outra coisa ainda é nos vermos nas comunidades e politicos seres maquiavélicos só por não perfilharem os nossos valores eticos ou morais.

O Sousa da Ponte disse...

Foi por estas e por outras que as "curas" da homossexualidade foram abandonadas.

J.AO disse...

Então mas sendo assim, quando as pessoas conscientemente decidem deixar de ser homossexuais, também seria legítimo buscarem "outras" intervenções, muito menos nocivas que "estas".