quinta-feira, 29 de abril de 2010

Notas sobre a "New Age"

Na secção "Artigos em PDF", mesmo ali do lado direito, foi acrescentado um ficheiro PDF intitulado "Notas sobre a «New Age»". Não se trata de um estudo completo, mas sim de uma recolha de informação sobre a corrente "New Age", separada por tópicos. Como sucede com todos os artigos nessa secção, também este será melhorado ao longo do tempo, e novas actualizações serão disponibilizadas no mesmo local.

14 comentários:

joaquim disse...

Pois é meu amigo, anda muita gente enganada e que precisa de ser esclarecida.

Obrigado portanto por esta intervenção tão importante.

Um abraço amigo em Cristo

Espectadores disse...

Obrigado, Joaquim!

Grande abraço!

Jairo Entrecosto disse...

Off-topic

Bernardo, não quero que fiques triste, deixei isto num comentário que fiz no meu blogue.

BM-"Eu nunca fui jugulado, com muita pena."

JE-"Tenho boas notícias; foste Jugulado há pouco tempo. Aqui está: http://jugular.blogs.sapo.pt/1772251.html

Só não referiu o teu nome e o do blogue mas ,por outro lado, fizeste Fernanda Câncio perder algum do seu precioso tempo para mostrar que a divertes. Não é um puxão de orelhas, mas tem a sua importância... :)"


Cumprimentos!

Espectadores disse...

Jairo,

Puseste um sorriso na minha cara!
Eu estava para aqui invejoso da tua pessoa, e hoje ganhei o dia!
Fui jugulado!
Aleluia!

Abraço

Anónimo disse...

""4(na verdade, o Kali Yuga vai de 3.102 a.C. a 428.898 d.C.) - onde e que foi buscar estes dados tao precisos? Certamente conhece o que RG escreveu sobre o assunto, indicando ele apenas uma duracao de 6480 (e nao 432000) anos para a Kali Yuga, mas sem nunca ter precisado a data do seu inicio.
(Luis)

Espectadores disse...

Caro Luís,

Tem toda a razão na sua observação. No meu PDF, referi essa datação sem dar grandes detalhes, e é perfeitamente razoável a sua questão. Na realidade, não consegui conciliar as estimativas de René Guénon com as estimativas que os próprios hindus dão, quando procuram adaptar o seu calendário (em grande parte simbólico) ao nosso calendário gregoriano (no que diz respeito ao ponto de partida) e aos anos solares (no que diz respeito à duração).

Em breve, actualizo o PDF, ao qual juntei um anexo com ambos os métodos de cálculo.

Obrigado pela ajuda!

Cumprimentos,

Bernardo

Espectadores disse...

Caro Luís,

Acabei de fazer "upload" da nova versão. Existe agora um novo anexo com os cálculos. Agradecia muito que me desse a sua opinião. Ainda não consegui conciliar o método de Guénon com o calendário "legal" indiano em vigor, e agradecia se tivesse alguma ideia acerca do que poderá provocar esta discrepância.

Cumprimentos,

Bernardo

Anónimo disse...

http://www.publico.pt/papaemportugal/Noticia/1434279

Espectadores disse...

Caro Anónimo,

A carta aberta desse mentiroso já foi comentada por mim neste espaço:
http://espectadores.blogspot.com/2010/04/o-teologo-mentiroso-falou-de-novo.html

Anónimo disse...

Não vejo porque é o Sr Kung mentiroso. Li o que o autor do Blog escreveu no seu outro post e concretamente não desmente nada do que o Sr Kung diz. É apenas uma versão diferente dos acontecimentos.

Anónimo disse...

http://noticias.sapo.pt/especial/bentoxvi_portugal/info/artigo/1061428.html

Sou Cristão e não vejo na Palavra de Cristo qualquer referência a estas idolatrias fajutas. É subverter a Palavra e o seu verdadeiro significado.

Espectadores disse...

Caro Anónimo,

Deve estar com problemas de leitura, ou de interpretação do que lê.

Sugiro duas coisas:

1) Onde estão as provas de que Ratzinger engendrou a política de ocultação de casos de abuso de menores, como Kung injustamente acusa?

2) Onde estão os textos do Vaticano II que dizem o que o Kung afirma que eles dizem?

Kung é um reles mentiroso. E uma pessoa francamente mal educada e em quem não se pode confiar.

Anónimo disse...

"¡Cuánta suciedad hay en la Iglesia!" Este clamor le valió un pontificado al entonces cardenal Joseph Ratzinger. Lo pronunció en un vía crucis en abril de 2005, a punto de reunirse el cónclave para elegir al sucesor de Juan Pablo II. El todopoderoso prefecto de la Congregación para la Doctrina de la Fe (ex santo Oficio de la Inquisición) sabía de qué hablaba. Los cardenales electores, también. Sobre la mesa del Papa anterior, Karol Wojtyla, se habían acumulado acusaciones de pederastia contra miles de sacerdotes, y también quejas por el encubrimiento de esos delitos por algunos jerarcas en Estados Unidos, Irlanda, Italia, Austria e, incluso, España. El alemán Ratzinger aparecía como el único de los reunidos con información y autoridad suficientes para atajar tal estado de cosas.


http://www.elpais.com/articulo/
reportajes/increible/vida/
Marcial/Maciel/elpepusocdmg/
20100124elpdmgrep_6/Tes

Anónimo disse...

então o papa sabia ou não sabia?